Friday, June 01, 2007

Breathe in

Ontem à noite, caminhando, lembrei que existe uma coisa que eu adoro fazer no tempo frio: respirar.

Sentir o ar gelado entrando pelas narinas e enchendo os pulmões me deixa consciente de uma verdade de que não deveria nunca esquecer: estou viva.

7 comments:

Thata said...

respirar no frio? aaai que dor no nariiiiz!!
Lys, mas ta frio de verdade aí no Rio?
bj!

Carla said...

Lys, a melhor coisa do inverno aqui tambem e o ar. Eu acho que nunca respirei ar mais puro. A sensacao de estar viva e muito, mas muito intensa mesmo do que em outras epocas do ano. Tem gente que faz longas caminhadas nas montanhas, na neve, pra sentir isso mais de perto. Eu ja nao me atrevo a tanto.

Wagner said...

Concordando um pouco com a thata, se estivermos com pressa (andando ou correndo), no frio, o ato de respirar pode mesmo ser dolorido — o que não deixa de nos mostrar, também, que estamos vivos.
Associar o ar frio à pureza, como diz a Carla, me parece algo comum, mas não acredito muito que a frieza "limpe" o ar de um lugar que no calor é poluído. Mas essa ilusão deve mesmo fazer algum bem à mente (à minha, pelo menos, ainda que pouco crédulo).
Por outro lado, indo a um ponto diametralmente oposto, naquele calor dos infernos que faz aqui nesta cidade, eu tenho pensamentos de "verdade consciente" semelhantes ao seu (no frio), só que com outro enfoque: por que eu ainda estou vivo?

Eu, o "dramático".

Carla said...

Lys, permita-me responder ao Wagner. Wagner, eu acho que voce esta falando da ilusao de limpeza do ar em cidades grandes, como o Rio de Janeiro, como NY. Mas a minha cidade nao e normalmente poluida, alem de ter uma concentracao enorme de parques e vegetacao abundante, coisa comum ao Norte do estado de NY. Quando no inverno, o ar e ainda mais limpo e, nas montanhas, muito, muito mais. A diferenca entre respirar no inverno daqui e no verao de Salvador e enorme.

Lys said...

Thata, depende do que você chama de "frio de verdade". Eu, como carioca, acho 13ºC uma friaca, mas você certamente está habituada a temperaturas bem mais baixas, não é?

A dor no nariz eu só sinto se estou respirando de forma ofengante, na pressa, como bem disse o Wagner.

Carla, acho que você entendeu EXATAMENTE o que eu quis dizer com esse post. Que sensação gostosa a gente consegue num ato tão simples!

Eu adoraria fazer uma caminhada dessas -- resta saber se eu agüentaria as baixas temperaturas (provavelmente não).

Wagner, o dramático :), eu tenho consciência de que, nesta cidade, só pode ser ilusão a limpeza que sentimos no ar. Independentemente disso, é muito agradável de sentir.

Olhe, com os novos rumos que a sua carreira internacional pode tomar, qualquer dia desses você vai poder respirar em Londres. Aí vou ter certeza de que você não vai mais se perguntar por que ainda está vivo quando o verão chegar. Ao contrário, vai começar a rezar (ops, existencialistas não rezam!), vai começar a desejar fervorosamente que o verão chegue logo.

Carla, eu não fazia idéia de que você morava longe da cidade de NY. Que tal um post sobre a sua cidade?

Wagner said...

Voltei só pra deixar claro que não tenho absolutamente nada contra o verão na Europa: tenho contra o verão no Rio. Aliás, sei bem o valor de um pouco de sol em locais onde o frio é intenso. Morei em Amsterdam justamente durante o inverno, esqueceu? — ou será que nem sabia? Enfim, não nasci para viver nos trópicos — triste destino o meu (ai, ai...).

Lys said...

Wagner, eu lembro que você morou em Amsterdã, sim. Só estava lhe dando umas espetadelas. Eu sei que você detesta o clima dos trópicos.