Monday, October 16, 2006

Não suje o meu carpete

Estava no cabeleireiro sábado e comecei a folhear aquelas revistas. Achei uma entrevista com a Suzana Vieira sobre o novo marido, que é PM e tem uns 25 anos a menos que ela. Veja que desprendimento tem essa mulher. Eu não vou entrar na questão da escolha porque não me cabe ficar comentando a vida dos outros aqui. Cada um na sua é que é bacana, certo?

O que bateu forte para mim foi o carpete verde clarinho do quarto da Suzana. Que ela, em sua vidinha de mulher solteira há algum tempo, mantinha, com muito zelo, sempre limpinho, e só pisava nele descalça, para não sujar. E agora ela abre mão da limpezinha e da fofura do seu carpete em favor de amor, paixão, companheirismo, o diabo. O homem pode pisar em tudo com os sapatos que usa na rua.

Que símbolo esse carpete, heim? Imaginem uma vida toda encarpetada de um verde clarinho imaculado. Conseguem? Essa é a minha vida.

8 comments:

Marilia said...

ai, que post lindo!

Suzana said...

Pois é, querida. O meu carpete não é verde; é salmão. E todo mundo anda descalço em casa.

carla said...

Lys, Lys, o meu carpete e branco e ele pisa descalco. Jamais permitiria que ele pisasse com os sapatos. Tem coisas que nao da pra abrir mao. Tenho certeza que voce abriria mao de parte do seu carpete verdinho, nao da muito trabalho nao, com amor se consegue.

Marcos said...

Adorei o comentário da Carla!
As mulheres prometem dividir a vida, se doam, são companheiras e cúmplices, mas de certas coisas não abrem mão.
O homem diz "nossa casa", a mulher diz "minha casa", "meu tapete", "minha cozinha"... Sócios, sim, mas elas são as majoritárias em se tratando do material.

carla said...

Hahahaha! Marcos, querido, alguem tem que tomar posse do territorio, ne nao? A maioria das coisas a gente divide sim, sem problemas. So umas poucas coisas e que mantemos sob nossa direcao, pro cara sacar, de vez em quando, quem manda na casa.

Lys said...

Obrigada, Marilia!

Todo mundo são três mulheres, não é, Suzana? O paraíso na terra! (Às vezes.)

Carla, não é muito usual que os homens concordem com a ditadura da limpeza feminina. Você tem muita sorte. E eu não sei se abriria mão de coisas assim. Para mim é tão difícil. Mas difícil mesmo é eu me apaixonar, então não preciso ficar me preocupando com o que vou ter que ceder nas minhas ranhetices.

Marcos, um ponto de vista interessante o seu. No entanto, apesar de você ter acertado em cheio no que toca a mim, não sei se a gente pode generalizar o "egoísmo" feminino e o "desprendimento" masculino. Assim como há mulheres que delimitam certas "propriedades", há homens que dizem "no meu carro ela não pega", "na minha adega ela não mexe".

Suzana Elvas said...

Sem contar o "meu dinheiro", "nossas contas" e "suas despesas"...

Lys said...

Ha, Suzana, boa sacada!

As questões de dinheiro são as piores. Eu não saberia resolver. Tenho pudores em deixar que um homem me pague um simples jantar. Tão metidinha a ser justa que chego a ser chata. Num casamento não sei como as pessoas consegurm dividir as despesas. Tendo crescido numa casa em que o pai era o provedor e a mãe, dona de casa, sem que nunca houvesse nenhum tipo de neura com a forma como um ou outro gastava o dinheiro de uma conta conjunta (para mim o horror dos horrores), eu devia ser mais desencanada com isso.