Monday, July 10, 2006

É bom "ficar pra tia"

Com exceção de um breve período de alguns meses em que o tal relógio biológico andou tiquetaqueando por aqui, eu nunca tive aquele desejo incontrolável de ser mãe. Não que o pensamento me causasse repulsa; simplesmente não fazia parte dos meus planos. Nunca fui aquele tipo de mulher que se enternece com qualquer carinha de bebê que aparece na TV, olha vitrines de lojas infantis no shopping e pede para pegar no colo filhos que não são seus. Pior dos pecados ainda: não acho que todos os bebês são bonitos; chego a distinguir os feios e verbalizar isso (não para os pais, claro, que não sou mal-educada).

Mas eis que.

Ó, meu Deus, nasceu o meu sobrinho e eu me tornei um ser totalmente sem noção! Eu saio de perto dele e sinto saudades, parece até que o filho é meu. Cada vez que saio, compro com uma roupinha nova para ele. Eu abraço, beijo, afago, aperto. Ele me retribui com sorrisinhos descoordenados.

É claro que é o bebê mais lindo do mundo. Não ouse me contradizer. E fofo. E adorável. E simpático. Em suma, o menino é um príncipe.

Eu só preciso me lembrar que sou a tia, não a mãe. Juro, estou embasbacada. É muito amor!

7 comments:

rosangela said...

Eu também sou só tia. E este amor supreeende mesmo a gente, nao é?

Feliz retorno. :)
abraço,

Carla said...

Eu nao sou nem mae nem tia, mas me apaixono pelos filhos das minhas amigas. E delicioso curtir filho dos outros. Aproveite bastante.

Lys said...

Rosangela, surpreende demais. Se para as tias é forte assim, imagino o que deve ser para as mães. Loucura, loucura, loucura.

Carlinha, eu nunca tinha caído de amores por um bebê desta forma. Eu nem curtia dar colo, apertar bochechas, essas coisas. Agora virei uma bobona. Chega a ser engraçado.

Simone said...

Talvez seja chegada a hora de adaptar o "Poema Enjoadinho" de Vinicius de Moraes. É pedir muito que dê um beijãozão no baby por mim?

Lys said...

Ora, Simone, pedir muito??? Estás brincando? O prazer é todo meu! :)

Não conheço ainda o "Poema Enjoadinho", mas conhecerei em uns 5 segundos (Google na ignorância!). Te conto depois!

Utualizando: A ignorância era maior que eu imaginava. Minha mãe vive recitando partew desse poema para os filhos, e eu nem sabia o nome. E eu ainda achava que conhecia Vinícius de Moraes. Pfff!

Léli said...

Eu sou tia, a-do-ro as crias. É incrível o quanto esses pequeninos podem mexer com a gente.

Lys said...

Léli, cada dia traz uma surpresa linda: é um gestinho diferente, uma gargalhadinha, um seguir a gente com os olhinhos... Eu me derreto toda! Se eu fosse a mãe, matava o pobrezinho de beijos!