Friday, August 11, 2006

E eu nem dei chilique

Hoje fui almoçar com uns colegas de trabalho num pé-sujo na CADEG. Foi um desafio que me fizeram, para ver quanto tempo eu resistia sem dar um chilique.

O local é peculiar, para dizer o mínimo. Um mercado enorme, feio, onde se encontra de tudo: flores, bebidas, comidas variadas, embalagens e sabe-se lá mais o quê. Aí a gente vai andando por umas ruas cobertas por um telhado alto até chegar ao tal restaurante, que mais parece um boteco. O nome: O Poleiro do Galeto. Adequado. As mesas ficam amontoadas lá dentro e se espalham pela rua. São insuficientes para a enorme e diversificada freguesia (homens engravatados, rapazes com pinta de modelo, gente suada, aposentados, patricinhas etc.). Tem sempre fila, me dizem, e enorme. Quem está sentado não tem pressa de ir embora. Os atendentes (porque não dá para chamar de garçons) são todos grossos, não te dão a mínima. Quando finalmente você consegue se fazer ouvir naquela balbúrdia, eles te olham com uma cara de raiva e anotam os pedidos. Não adianta tentar pedir com detalhes. "Coca-Cola?" "Ok". Quando alguém murmura "light", o cara já deu as costas. A gente ria. O mau humor deles faz parte do charme, parece. Não diga que está com pressa porque já perdeu meia hora esperando pela mesa vaga. Eles te dizem, sem a menor, cerimônia, "Quer rapidez, que vá ao MacDonald’s!" Os talheres... Minha faca veio com uma crosta indecifrável. Tive que esfregar no guardanapo para limpar. Aí meus colegas me disseram, rindo: "A única diferença é que aqui a gente sabe que é sujo, os outros restaurantes escondem". Sei lá, por algum motivo tolo, eu prefiro ser enganada.

Saldo: maus tratos, risadas, comida caseira, muito boa e barata. Mas não volto mais, não. Uma vez é mais que suficiente para uma experiência tão bizarra.

6 comments:

Fezoca said...

acho que eu nao iria gostar desse lugar..... :-))
beijao,

Marcos said...

Tô com a Fezoca. Adoro copos sujos.

Carla said...

Olha, dependendo da qualidade da comida, eu ate encaro. Mas prefiro servico de primeira que eu sou muito chata.

Suzana said...

Ai, meu Deus, você foi comer no Bifão de Ouro? O Poleiro é di-vi-no! O que você comeu, me diz aí - foi aquele filé ma-ra-vi-lho-so com aquela cobertura chocrante de alho? Acompanhado daquela indecência quantitativa de batatas fritas e aquela farofa molharadésima??? Foi, foi?
Se você ousar ir lá de novo e não me convidar eu te MATO, entendeu? Entendeu bem? Nem te conheço pessoalmente mas mando uns hômi atrás de você! Como assim vai lá e não avisa???? O melhor restaurante do Rio, o filezão mais suculento e você não fala nada da comida? Nada??? Só detalhes insignificantes como sujeira nos talheres? Eles dão SABOR ao prato, fique a senhora sabendo. Faz parte da ambiance. :o)

Lys said...

Fer, a julgar pelo capricho com que você cozinha e arruma a mesa para uma refeição, é certo que você iria odiar. Isso sem falar que "alimento orgânico" é uma expressão totalmente desconhecida por aquele pessoal.

Marcos, os homens têm mais facilidade de aceitar esses locais bizarros. Não sei se tenho inveja de vocês! ;)

Carla, eu sou cheia de frescura, por isso os meninos me levaram lá. Resisti com bravura, mas não volto. Apesar de a comida ser ótima.

Ha, ha, ha, Suzana, pois foi EXATAMENTE o que eu comi. Mas você esqueceu de mencionar também o molho acebolado maravilhoso. Eu não comia filé com fritas há séculos, aí os meninos me disseram que iam me levar ao lugar onde se como "O" filé com fritas. É divino, mas os percalços até a gente conseguir comer... Difícil encarar de novo. Pronto, falei. Agora pode me achar nojenta!

Uma beijoca!

Anonymous said...

Olá, da próxima vez que for ao Poleiro do Galeto, experimente ir para a diretoria (2º andar)! O garçom ou atendente (como preferir), é o Eduardo, mais conhecido como Dudu, ele é super educado e eficiente.
[]s,
Alamim